Blog Engefor
25
maio
Home blog » Economia financeira em 3 passos

Economia financeira em 3 passos

Em tempos de recessão econômica, muitas pessoas estão buscando formas de economia financeira e muitas vezes não sabem como atingir esse objetivo.
O desemprego tem chegado a números alarmantes e os preços de muitas coisas estão subindo de maneira assustadora, fazendo com que a preocupação com os gastos seja ainda mais legítima.
É certo que existem situações que estão fora do seu controle, no entanto, as “suas finanças” estão, e é sobre elas que vamos falar hoje.
Se você quer ter mais tranquilidade para lidar com o assunto, não pode deixar de conferir as dicas que preparamos para você.

1.     Assuma o controle

O primeiro passo para que possa planejar a organização de seus gastos e obter economia financeira é colocando a “casa em ordem”.
A forma mais fácil de fazer isso é levantando todos os compromissos vencidos, a vencer e também dimensionar o que você tem de rendimentos, ou seja, o que entra na sua conta como salário por exemplo.

Dívidas devem ser negociadas sempre que possível;
Despesas devem ser organizadas por data de pagamento;
Dos seus rendimentos, priorize quitar as despesas essenciais e só depois verifique “quanto sobra” para você.
Não sobra nada? Vamos priorizar.

2.     Seja organizado

É importante que você tenha suas contas devidamente anotadas em um caderno ou mesmo um controle através de aplicativos, isso já está disponível e é fácil de manusear.
A escolha do que deve ser pago é simples, despesas de ordem básicas como aluguéis, contas de água, gás e luz, alimentos e transporte são essenciais.
Em um segundo momento, vem os “acordos de dívidas antigas”, pois se não os saldar, nunca se livrará desse problema.
Por último, foque em outras despesas ou se houver sobra, guarde uma parte e reserve o restante para o período até o próximo pagamento.
Palavras de ordem deste momento: Compre o que precisa e não o que apenas deseja.

3.     Corte despesas desnecessárias ou supérfluas

Sabemos que existem coisas que nos trazem muito conforto, mas que podemos perfeitamente viver sem elas pelo tempo necessário.
· Tv a cabo;
· Assinaturas de pacotes online ou coisas do gênero;
· Planos de celular pós pago;
· Comida por aplicativo ou comprada fora de casa por lazer;
· Roupas e sapatos comprados por serem a moda da vez;

Esses são alguns exemplos.
Talvez você pense: Poxa, mas e a minha diversão?
Mude seus hábitos neste período. Ao invés da academia, pratique alguma atividade ao ar livre.
Ao invés de assistir séries, que tal ler livros ou revistas?
Não se trata de ser assim para sempre, mas de você entender que neste momento a prioridade é colocar a vida financeira em ordem.
Não se engane com compras parceladas no cartão, isso é um erro.
Cartões de crédito são para emergências ou para compra de bens demasiadamente altos para suas possibilidades, e se você não consegue lidar com essa realidade o melhor é não os ter!
Forte essa afirmação? Mas ela é verdadeira.
Se seu desejo é possibilitar uma economia financeira, então deve eleger suas prioridades e aceitar suas limitações por ora.

Economia financeira na prática

Agora que você já tem o controle da situação, organizou a forma de pagar sua contas e cortou despesas supérfluas já pode pensar em fazer uma economia financeira na prática.
Depois que cortou despesas, verifique quanto efetivamente tem em mãos que se destinavam a outros fins e aplique-os de acordo com o valor.
Se mesmo com o corte de despesas notar que ainda fica no negativo, aguarde mais um tempo para começar a fazer seu dinheiro render.

Outra forma de economia financeira é tentar reduzir os custos fixos com água, luz, gás etc. Essas são despesas essenciais, mas que por serem variáveis é possível tentar uma redução controlando melhor o uso.
Saiba que economia financeira, não se trata apenas de guardar ou aplicar recursos, mas principalmente otimizar o uso do seu dinheiro fazendo com que despesas sejam minimizadas.
É algo temporário, mas é um processo que carrega consigo lições para toda vida.
O ideal é que você suas despesas fixas sejam 50% da sua renda, 20% sejam para fins que você desejar e 30% se destine a alguma forma de aplicação ou economia.

Se você gostou desse conteúdo e gostaria de ver outros relacionados, nos siga nas redes sociais.
Nós estamos no Facebook, LinkedIn, Twitter e Instagram.